Líderes religiosos se reunirão em Assis para rezar pela paz

Da redação, com Rádio Vaticano

Começa no próximo domingo, 18, a Jornada Mundial de Oração pela Paz na cidade italiana de Assis, 30 anos depois da primeira edição convocada por São João Paulo II para reunir em comunhão os principais líderes religiosos. O evento foi apresentado nesta terça-feira, 13, na Sala Marconi da Rádio Vaticano. Cerca de 450 representantes de instituições e do mundo da cultura são esperados para o encontro.

Para o presidente da Comunidade de Santo Egídio, Marco Impagliazzo, o evento em Assis ajuda a aceitar com coragem os novos desafios. “Mais que um mundo que piorou, o mundo vive novos desafios porque entramos no tempo da globalização, que nos faz viver juntos, e do terrorismo, que, ao contrário, quer nos dividir. Então, estaremos em Assis bem para isso: para buscar essa unidade contra quem quer nos dividir”.

O diretor da Sala de Imprensa do Convento de Assis, Padre Enzo Fortunato, fez um balanço do caminho de paz desses 30 anos:

“A gente leva no coração aquilo que aconteceu nos anos anteriores. Em 1986, Guerra Fria: o Papa escolhe Assis e, depois de alguns anos, tem a queda do Muro de Berlim – o símbolo da Guerra Fria. Em 1993, a guerra na Bósnia Herzegovina: o Papa de novo em Assis, sob as marcas de São Francisco, com São Francisco, e logo depois teríamos o Acordo de Dayton. Ainda em 2002, depois do atentado às Torres Gêmeas, uma oração comum de todas as fé religiosas em Assis poucos meses após o 11 de setembro e depois de alguns anos da queda de Al Qaeda, do terrorismo de Al Jazeera. Agora, a gente tem pela frente um novo desafio: o desafio do terrorismo, do autoproclamado Estado Islâmico, e Assis é a resposta ao terror. Essas edições precedentes nos dizem que a força frágil da oração, como chamou o Card. Parolin, é a resposta mais imponente e mais importante à resposta prepotente das armas.”

Tema

O tema dessa Jornada de três dias, organizada pela Comunidade de Santo Egídio, dioceses locais e Famílias Franciscanas, será “Sede de paz. Religiões e Culturas em diálogo”.

O programa vai abrir espaço para diálogos entre cristãos, hebreus, muçulmanos, religiões asiáticas, da África, Europa e Ásia, sobre ecumenismo e também sobre o terrorismo que nega Deus. O encontro inter-religioso ainda vai debater grandes temas econômicos, sociais, ambientais, as desigualdades, a pobreza, os migrantes e refugiados, o papel da mídia nas guerras.

Papa Francisco em Assis

No dia 20, na conclusão do evento, Papa Francisco estará presente em Assis. É a terceira que Francisco visita a cidade que tem a marca da presença de São Francisco. “Naturalmente estamos muito agradecidos”, disse o arcebispo de Assis, Dom Domenico Sorrentino.

“Hoje o acolhemos com mais esperança, porque o espaço e o horizonte se abrem num mundo que se tornou sempre mais globalizado, mas que também tem atravessado sempre mais dialéticas e pressões que fazem temer pelo nosso futuro. Realmente essa experiência de unidade, que o Papa imprime com a sua influência, pode nos dar um caminho de esperança”, ressaltou o arcebispo

Related posts